sexta-feira, 16 de maio de 2014

Baú do Tesouro: A Morte de Gwen Stacy

por
Macgaren

Que a vida do Homem-Aranha é marcada por tragédias pessoais, muitos sabem, mas talvez, a maior de todas tenha sido a Morte de Gwen Stacy. Tanto pelo que significou à época, como pelo legado que deixou...


Mas como a história começa muito antes, vamos por partes:



GWEN STACY ENTRA EM CENA


Peter conheceu Gwen no mesmo dia em que entrou para a faculdade, mas demorou um pouco para que a notasse pois, como sempre, vivia preocupado com contas, vilões, doença da tia moribunda. Já a Gwen, desde o começo se interessou pelo jovem, e se esforçou para conquistá-lo. Era só questão de tempo.
 
E assim foi, logo eles estavam namorando. Apesar de todas as dificuldades, o amor entre os dois cresceu. Peter chegou inclusive considerar revelar para sua amada sua identidade secreta. Todos, acreditavam que os dois se casariam.
 
 
 
 
 
 
 
 
A PRIMEIRA TRAGÉDIA
 
 

O Capitão de polícia George Stacy, pai de Gwen, também simpatizava com Peter... além de ser um dos poucos policiais que aceitavam o Homem-Aranha como um herói. Durante os anos, o Capitão Stacy dava mostras de que conhecia o segredo do futuro Genro. Durante uma luta entre o Aranha e o Dr. Octopus no alto de um prédio, escombros caíram em direção à rua, e para salvar um garoto que seria atingido, o Capitão acaba levando todo o golpe e acaba morrendo. Mas antes, nos braços do aranha, pediu para ele cuidar da Gwen. Como sempre, o Aranha levou a culpa pela morte.
 
 

 
 
 
 
 
RETORNO VERDE
 
 
Depois da morte do Pai, Gwen ficou profundamente abalada e decidiu passar uns meses com os tios, em Londres.
Nesse meio tempo, Harry Osborn se afunda de vez nas drogas e é internado por overdose (capítulo esse que mereceria um Post próprio). A pressão psicológica faz Norman Osborn, que sofria de amnésia, lembrar de todo seu passado como Duende Verde, e a verdadeira identidade do Aranha. Determinado a destruir seu inimigo de uma vez por todas, resolve atacar o ponto mais fraco do herói: Sua Amada. Então o Duende sequestra a loirinha e a leva para o alto da Ponte George Washington, para atrair o Aranha para a batalha final.
 
 
 
 
 
 
 
 
A NOITE EM QUE ELA MORREU
 
 
No alto da ponte, a batalha entre herói e vilão se mostra diferente das anteriores. O Duende, no alto de toda sua loucura, joga o corpo da Gwen, desmaiada, do alto da ponte. Horrorizado, o Aranha faz a primeira coisa que lhe vem à cabeça: atira uma teia para parar a queda da amada. Depois de um momento de alívio, vem a constatação: Ela estava Morta! A parada brusca havia quebrado seu pescoço.Tomado pela fúria, o Aranha jura matar o Duende com as próprias mãos. Mas após vencê-lo (e dar muita porrada) o herói se controla e não dá cabo do vilão que, numa ultima tentativa de vencer, é empalado pelo seu próprio jato e morre. Mas nada traria a loirinha de volta. Restava ao Peter, tentar se reerguer, e continuar com sua vida.
 
 
 
 
 
 
 
 
PONTO DE MUDANÇA
 
 
 Escrita por Gerry Conway e desenhada por Gil Kane, “A Noite em que Gwen Stacy Morreu” (No Brasil, por algum motivo “Noite” virou “Dia”). Balançou as estruturas dos quadrinhos. Já começando pelo layout da história, já que o título, veio no último quadrinho apenas, e também pois, até aquele momento, nenhum personagem importante assim havia sido morto. A repercussão foi enorme. Leitores se manifestaram. Alguns revoltados, alguns elogiaram a coragem da Marvel. Que, queiram ou não, sempre procurou dar humanidade aos seus personagens, e matar a namorada do principal personagem da editora pode até ter sido uma decisão polêmica, mas a carga dramática não poderia ser ignorada. Afinal, não só houve uma morte trágica, mas que indiretamente, foi causada pelo próprio Herói.

E essa é uma polêmica que até hoje, rende discussões entre os fãs: que foi a parada brusca causada pela teia do Aranha, que quebrou o pescoço de Gwen, não se discute, afinal, aquele pequeno “Snap”, onomatopéia no momento da parada, diz tudo. A discussão é: se o Aranha tivesse feito diferente, a história seria outra?
 
 
 Essa dúvida inclusive, gerou uma edição da série “O que aconteceria se..” Que mostra exatamente “O que aconteceria se Gwen Stacy não tivesse morrido?” e nesta realidade alternativa, o Aranha, ao invés de tentar segurar a queda com a teia, pula da ponte e segura suavemente a amada,salvando-a. Mas como isso não aconteceu… 
 
Abaixo a imagem dos dois momentos da queda da Gwen:
 
 
Voltando à dura realidade: A morte da Gwen abriu espaço para outra personagem: Mary Jane, que de uma jovem maníaca por festas e que não levava nada à sério, aos poucos se tornou uma boa amiga para Peter e, logo, tornou-se sua esposa. 
 
 
 
 
 
 
A VIDA NÃO PÁRA...
 
 
A morte de Gwen, além do amadurecimento já citado do personagem, também deu origem a outras histórias, como a aparição de um segundo Duende Verde, e o surgimento do Chacal, vilão que, apaixonado pela Gwen, deu origem à Saga do Clone, (detestada por muitos, amada por poucos).
E ao melhor estilo Marvel, já tentaram trazer Gwen de volta à vida diversas vezes, já apareceram clones, escritores medíocres inventaram filhos com crescimento acelerado, tentaram mudar a história da morte com dezenas de retcons. Aas a verdadeira Gwen continua morta... e junto com o Tio Ben, é uma das poucas personagens que (ainda) não voltaram à vida .
 
Mas uma coisa é certa: após a morte de Gwen Stacy as histórias em quadrinhos nunca mais foram as mesmas. 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários e críticas são bem vindos desde que acompanhados do devido bom senso.