segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Da Prensa: Homens-Aranha por Macgaren

por
Macgaren


Se um Homem-Aranha incomoda muita gente...




Em Homens-Aranha, após um confronto com o Mystério, o Peter Parker acaba sendo mandado para uma outra dimensão muito parecida com a sua “mais” com uma pequena diferença: Nesta realidade ele está morto e outra pessoa está agindo como Homem-Aranha. Agora ele vai precisar da ajuda de Miles Morales, o novo Homem-Aranha e dos Supremos para conseguir voltar para sua devida realidade.
 

Acho que não preciso dizer que pelo fato das histórias estarem uns cinco degraus abaixo do lixo absoluto, já não leio Homem-Aranha há muito tempo. Tirando algumas edições especiais (Em breve, nem isso mais) e encadernado com histórias clássicas. Mas há alguns meses voltei a ler o Universo Ultimate exatamente após a morte do Peter e o início das histórias do Miles. Obviamente não ia deixar passar uma edição com o primeiro crossover entre o Homem-Aranha tradicional (616) e o Ultimate. Ok. Encontros entre realidades não são lá uma novidade. Vale citar o encontro do Aranha 616 com o de 2099 lá nos anos 90 (Bem legal por sinal. Vão atrás)


E já devo dizer que Homens-Aranha me agradou bastante. A história segue a linha que tem me agradado ultimamente: Leve, descompromissada e que não tenta ser mais do que é. O roteiro é de Brian Michael Bendis com arte de Sara Picceli. Devo admitir que não sou lá muito fã do Bendis apesar de reconhecer que ele é um bom roteirista. Acho que ele enrola muito e abusa do popular “encher linguiça” nas suas histórias de linha. Já numa história fechada como é essa, ele funciona bem e consegue dar um bom ritmo à trama. Se fosse na mensal por exemplo, ele levaria umas 20 edições pra contar a mesma história.

Já os desenhos da Sara é outra coisa que agrada. Ela foi responsável pelos desenhos das primeiras histórias Ultimate com o Miles e fez fez falta quando saiu.
O roteiro é como eu já disse: Simples: O Aranha (Peter) conhecendo a nova realidade enquanto que o Tony Stark ultimate trabalha a mando do Nick Fury para devolvê-lo à sua realidade original.


O interessante são as situações que envolvem o Peter com o que ocorreu com sua contraparte ultimate já que após sua morte, todos sabem que o Peter era o Aranha.

Também merece comentários o encontro dele com a Tia May e a Gwen em uma conversa que acaba servindo como uma forma delas se despedirem dele (mesmo que aquele não seja o Peter que elas conheceram) Há até um diálogo legal entre o Peter e a Gwen comparando as Mary Janes de suas realidades. Seria legal alguns fã boys que reclamam quando as coisas em filmes não são iguais às dos quadrinhos entenderem que realidades diferentes não precisam ser iguais.


Mas se a qualidade do material em si é de elogiar, o mesmo não se pode dizer do tratamento da Panini pra edição nacional. Erros de português primários que são inaceitáveis em qualquer lugar; principalmente em uma editora grande como a Panini. O mais gritante deles está na 4ª capa da edição . o que torna ainda pior já que bastava um mínimo de cuidado pra detectarem. E o pior é que nos últimos tempos isso se tornou comum.

É título de história com erro, palavras repetidas na 4ª capa, balões em branco, texto de balões trocados. Não dá pra falar mal da qualidade gráfica da Panini. Isso é inquestionável mas são erros assim que parecem mostrar que a editora não está dando conta da quantidade de material que publica. E isso porque venho comprando pouca coisa. Imagina o tanto de erro que tem se juntar todas as publicações do Mês. Ah! E isso porque nem estou falando dos atrasos provocados pela distribuição medíocre da editora.


Enfim. Tirando o ponto negativo da Panini, Homens-Aranha é uma boa história. Só achei que o Miles acabou ficando meio apagado já que focou mais no Peter. Mas foi até bom já que seria pior se o Miles fosse pro 616 e acabar afogado no mar “marrom” que está por lá.

E aproveitem: Sabendo o que vem pela frente, essa é a última boa história envolvendo o Peter pelos próximos anos. A partir de agora a coisa degringola de uma forma que só a Marvel faz pra você.

Homens-Aranha tem 108 páginas e custa R$17,90

Um comentário:

Renver disse...

O HA Obama tá muito bom mano.

Postar um comentário

Todos os comentários e críticas são bem vindos desde que acompanhados do devido bom senso.